Anvisa proibe venda de mamadeiras de plástico feitas com bisfenol A

Esse substância faz parte do policarbonato, um plástico transparente, e é comum nas mamadeiras mais baratas. Não há estudos conclusivos, mas há a suspeita de que cause problemas neurológicos em bebês.

Mamadeiras de todos os modelos, tamanhos e materiais. Algumas possuem um selo: zero por cento de BPA ou livre de BPA. Essa é a sigla de bisfenol A, uma substância que faz parte do policarbonato, um plástico transparente, bem durinho. É o material mais comum nas mamadeiras baratas.

O uso de policarbonato em mamadeiras já foi proibido no Canadá, na Austrália e na União Europeia. Agora o Brasil tomou a mesma decisão. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) determinou que a partir janeiro do ano que vem, esses produtos não podem mais estar nas prateleiras.

O BPA também é usado para fazer tigelas e copos plásticos, mas esses produtos continuam liberados. A proibição das mamadeiras é para proteger as crianças pequenas. Segundo a Anvisa, quando se ferve a mamadeira com leite dentro, aumenta o risco de contaminação. “O aquecimento favorece a migração do bisfenol para o alimento. Então é bom evitar aquecer a mamadeira no micro-ondas para evitar o limite da migração”, explica Denise Resende, gerente de alimentos da Anvisa.

A Anvisa não tem estudos conclusivos, mas suspeita que o BPA pode causar problemas neurológicos em crianças com menos de um ano. Ingrid Costa, que mora no Varjão, perto de Brasília, diz que sempre deu para o filho dela madeiras feitas de BPA. Ela nunca soube que esse tipo de plástico pode prejudicar a saúde.

A Anvisa explica que não há nenhuma proibição para a venda de bicos de mamadeiras e chupetas. É porque esses produtos são feitos com outros materiais – como látex, silicone – e não com BPA.

Fonte: Portal G1

Anvisa proibe venda de mamadeiras de plástico feitas com bisfenol A
Rolar para o topo