Erva de São João e antidepressivos sintéticos

Produtos naturais saudáveis são os que agem em harmonia com a fisiologia de nosso organismo para ajudar no equilíbrio do mesmo. O que dizer, então, da Erva de São João para a depressão? Cuidado porque há no Brasil ervas de São João que não são o hipérico. A Erva de São João usada para tratar depressão como alternativa dos antidepressivos sintéticos é o Hypericum perforatum.

Linda Van Horn, Ph.D, RD, editora chefe da American Dietetic Association escreveu no Journal of the American Dietetic Association, Set/2005, p.1695 que a dieta baseada em plantas ou vegetariana total, de acordo com “dados dos estudos epidemiológicos e experimentais continuam a documentar os benefícios associados [desta dieta] com relação ao risco de doenças crônicas.” Seu editorial foi entitulado “Growing Data on Plant-Based Diets” (“Dados Crescentes sobre as Dietas Baseadas em Plantas”). Isto é “natural”, dieta natural a qual produz maravilhosos resultados para a saúde.

Em Março de 2001 o Dept. de Saúde e Serviços Humanos dos EUA publicou um documento de 11 páginas em www.ahrq.gov (Agency for Healthcare Research and Quality) mostrando que acima de 770.000 pessoas são lesionadas ou morrem cada ano em hospitais por efeitos adversos por uso de remédios, os quais podem custar 5.6 milhões de dólares cada ano por hospital dependendo do tamanho do hospital. Diz mais: “Esta estimativa não inclui os efeitos adversos que causam admissões, má-prática e custos litigiosos, ou os custos de pacientes em benefício-doença.”

Em 1 April 2005, vol.71, Núm. 7, p.1375, 1376, o Journal of the American Family Physician publicou o artigo “Erva de São João para Depressão” em cujo comentário clínico estava: “Os [antidepressivos] ISRS (Inibidores Seletivos de Recaptação da Serotonina) são os antidepressivos mais amplamente usados nos Estados Unidos. Barreiras para seu uso incluem custo, efeitos colaterais e a relutância de alguns pacientes para usar ‘drogas’ para tratar depressão. A evidência claramente mostra que a Erva de São João é uma opção eficaz e bem tolerada para o alívio de curto prazo de depressão leve a moderada.

Em 1 Julho 2005 também o Journal of the American Family Physician, vol.72, Number 1, p.150, publicou uma nota: “A Erva de São João versus a Paroxetina em Depressão Moderada à Severa” declarando que “Em pacientes que possuem depressão de moderada à severa, a Erva de São João é pelo menos tão eficaz quanto a paroxetina após seis semanas de tratamento. Ela é também melhor tolerada do que a paroxetina.”

Em 16 Julho 2005 o British Medical Journal publicou um incrível artigo chamado “Eficácia de antidepressivos em adultos”, p.155-157, onde escreveram: “Recente meta-análise [estudos de estudos] mostra que os inibidores seletivos de recaptação de serotonina [ISRS] não têm nenhuma significativa vantagem clínica sobre o placebo [remédio “água com açúcar”]. Clamores de que antidepressivos são mais eficazes em condições mais severas possuem pouca evidência para apoiá-los. Artefatos metodológicos podem contar para o grau pequeno de superioridade mostrado sobre o placebo. Antidepressivos não têm mostrado convincentemente afetar os resultados de longo prazo da taxa de depressão ou de suicídio. Dúvidas sobre seus benefícios e preocupações sobre seus riscos, [indicam que] as atuais recomendações para prescrever antidepressivos deveriam ser reconsideradas.”

O Journal of the American Family Association publicou o artigo “Desordens Depressivas”, 1 June 2006, Vol. 73, Number 11, p.1999-2004. Sobre a Erva de São João escreveram: “Uma revisão sistemática mostrou que a Erva de São João (Hypericum perforatum) melhorou os sintomas depressivos acima de quatro para 12 semanas comparada com placebo. A revisão não mostrou significante diferença entre a Erva de São João e os antidepressivos tricíclicos [amitriptlina, imipramina, etc.]e os ISRS.”

Finalmente, no bom livro publicado em 2002, “Medicamentos Naturais para Desordens Psiquiátricas”), sendo editores David Mischoulon, M.D., Ph.D. e Jerrold F.. Rosenbaum, M.D., ambos professores de Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Harvard, o cap.1 é dedicado ao estudo/explicação da Erva de São João. Parte do sumário diz: “Os extratos da flor da Erva de São João, hypericum and hyperforin, tem sido mostrado serem eficazes antidepressivos em estudos controlados (melhor que placebo e igual aos agentes ativos antidepressivos)…eles exibem um perfil benigno de efeito colateral.” (p.10).

Erva de São João e antidepressivos sintéticos
Rolar para o topo