Hidroginástica 2. 0 diminui risco ligado à osteoporose

A hidroginástica ganhou uma nova versão. Batizada de HidrOS (ou hidroginástica 2.0), ela combina exercícios de força, resistência e equilíbrio durante os treinos. E ainda tem a aprovação dos pesquisadores da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), que mostraram em estudos como a atividade pode prevenir danos ligados à osteoporose.

A nova versão da hidroginástica preza pela alta intensidade da atividade. Consiste em movimentos “mais rápidos e mais intensos em menos tempo, só usando a resistência da água ao próprio corpo”, explica Linda Moreira Pfrimer, coordenadora do estudo – em entrevista ao coloborador especial da Folha, Marco Varella.

De acordo com Pfrimer, o segredo é a pouca repetição e muita carga, ou seja, máxima velocidade de movimentos na água, o que fortalece ossos e músculos.

Na pesquisa da Unifesp, dois grupos de 44 mulheres na menopausa foram comparados antes e depois de um período de seis meses. O grupo controle não fez atividades físicas regulares. O outro fez uma hora de exercícios na piscina, três vezes por semana. Ambos os grupos receberam suplemento de cálcio e vitamina D.

Não houve mudança no grupo controle. Já o grupo que fez a HidrOS apresentou aumento na força do quadril, nos músculos da coluna e na preensão manual.

Antes, 40 mulheres tiveram quedas. Depois de meio ano se exercitando, só dez caíram. “Idoso não precisa de exercício de repetição. Precisa de carga em tempos curtos, que gere força para melhorar o equilíbrio e fortalecer o osso”, diz Pfrimer.

Prática

A prática da hidroginástica oferece baixo risco de lesões. Mas estudos sobre o impacto da hidroginástica convencional sobre a osteoporose são pouco conclusivos, além de não levarem em conta a incidência de quedas.

Na osteoporose, ocorre a uma perda de cálcio dos ossos. Com isso, qualquer queda traz risco de fraturas graves.

Fonte: Gazeta Online

Hidroginástica 2. 0 diminui risco ligado à osteoporose
Rolar para o topo