Música reduz dor em pacientes com câncer, mostra estudo

Canções ajudam a reduzir a ansiedade de pessoas em tratamento contra a doença.

A música, usada para ajudar a diminuir a ansiedade dos pacientes com câncer durante o tratamento, também pode atuar positivamente no estado de ânimo, na dor e na qualidade de vida, segundo um estudo publicado recentemente.

A análise, conduzida pela professora Joke Bradt, do Departamento de Tratamentos Criativos da Universidade de Drexel, na Filadélfia, indica que tanto escutar música em CDs pré-gravados como a musicoterapia podem ser um complemento aos tratamentos dos pacientes com câncer para melhorar seu bem-estar.

Os pesquisadores analisaram os resultados de 30 estudos feitos em sete países – Estados Unidos, China, Itália, Irã, Espanha, Taiwan e Vietnã. No total, foram analisados 1.891 pacientes com diferentes tipos de câncer, que escutaram música gravada ou que participaram de musicoterapia.

Os resultados demonstraram que em ambos os casos os níveis de ansiedade ficaram “consideravelmente” menores.

Além disso, os pesquisadores detectaram outros benefícios (em índices menores, mas também positivos) na respiração e na pressão sanguínea de alguns pacientes. Para Joke, “a música pode ser um tratamento complementar eficiente”.

O Instituto Nacional do Câncer dos EUA define a musicoterapia como um conjunto de técnicas baseadas em música empregadas para ajudar a aliviar a dor ou a tensão. Joke diz que este procedimento pode servir como entretenimento e como fonte de concentração e “está provado que, quanto mais relaxado está o paciente, menos dor ele sente”.

Os resultados também sugerem que a musicoterapia pode ajudar a melhorar o estado de ânimo dos pacientes, embora não evite a depressão. Segundo Joke seria necessário fazer estudos mais profundos para entender melhor o impacto da aflição nesses casos.

A musicoterapia não só consiste em escutar composições musicais, mas inclusive o paciente pode manifestar suas emoções cantando ou tocando um instrumento. Além de servir de entretenimento, é uma forma de dar “energia” ao doente.

No caso dos CDs, o terapeuta geralmente pede para o paciente escolher as preferidas em uma lista de cinco ou seis tipos de música, que abrangem de clássica, new age até country, para então produzir uma seleção exclusiva. A escolha, que às vezes conta com ajuda de parentes e amigos, depende da necessidade do paciente que “às vezes pede músicas mais animadas ou aquelas com letras que inspirem esperança”, diz a pesquisadora.

– As músicas proporcionadas por musicoterapeutas capacitados, assim como as gravadas, apresentaram resultados positivos, mas atualmente não há provas suficientes para determinar se uma intervenção é mais eficiente que a outra.

Mais informações: The Cochrane Collaboration

Música reduz dor em pacientes com câncer, mostra estudo
Rolar para o topo