Novo estudo sugere que nós realmente somos aquilo que comemos

Aquele velho jargão dos nutricionistas de que “somos o que comemos” pode realmente ser verdade. Cientistas da Universidade de Nanquim fizeram uma descoberta surpreendente sobre o que comemos: não ingerimos apenas nutrientes em nossa alimentação, mas incorporamos parte do material genético também.

Pesquisadores descobriram níveis abundantes de micro-RNA de arroz na corrente sanguínea de chineses. E esse micro-RNA não está lá à toa, podendo ter efeito sobre os nossos genes. Em estudos anteriores, o micro-RNA de arroz teve efeito sobre a expressão de genes em camundongos e alterou a capacidade do fígado de filtrar o colesterol ruim.

A possibilidade de que os alimentos que ingerimos podem regular nossa expressão genética é uma descoberta excitante, mas traz muito mais perguntas do que respostas.

Isso explicaria as qualidades medicinais de alguns medicamentos? Poderiam ser usados contra doenças? E o que isso significa para os alimentos geneticamente modificados? Aguardemos as próximas pesquisas e as possíveis respostas.

Fonte: Gizmodo

Nota: A ciência não usa como ponto de partida a palavra do Criador, pois se assim o fizesse chegaria rapidamente à pesquisa conclusiva. Vejamos o texto:

“E criou Deus o homem à sua imagem: à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra. E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento.” (Gênesis 1:27-29)

Novo estudo sugere que nós realmente somos aquilo que comemos
Rolar para o topo